sábado, 2 de maio de 2009

Bubamara

Quarta descoberta: casar é bom (mas há que se levar em conta que...)

No dia seguinte houve aquela comoção na casa, todos queriam saber se o "noivo" estava vivo. O interessante é que ele nem teve ressaca e já acordou lindo. Olhou o sol, que não aparecia há dias e disse "olha, amor, eu encomendei o sol pra tu!" e eu me desfiz num sorriso. Hihihi

Bateram a porta e já entraram rindo. Preparamos o almoço, pegamos nossa bicicleta e fomos à prefeitura. Casar. Os amigos de Camilo foram chegando. Meus amigos, só na lembrança. Todos nos seus lugares. Daí, uma mulher muito loira e muito vesga começou a falar. Ela tinha uma faixa com as cores da França. Que legal! E a tradutora era portuguesa. Até aí, só motivo pra rir.

- Lucciana Milená Aqüino
- do jeito que minha mãe quis que fosse pronunciado...
- ...aceita se casar com Camilô Errrnestô Martí Salguerro?
- Sim.

Mas antes falaram de amor. E de filhos. E de futuro. E aquilo tudo foi me tomando, me fazendo ficar pensantiva. Eu ia casar, aquilo era sério. Apesar da mulher vesga.

Quando tudo terminou, ficamos conversando besteira por ali e os amigos de Camilo foram pra entrada. Ao sair da prefeitura, uma chuva de arroz e um batalhão de bolhas de sabão tomaram o ar e dançaram a música que começou a sair do violão. As pessoas gritaram e aplaudiram e gritaram mais. E então começaram a cantarolar o refrão de Bubamara. Não conhecia a música, mas aquele coro me fez chorar. Eu queria bater em todas aquelas pessoas, foi lindo.

Como temos convivido diariamente desde a primeira semana de namoro, aquelas descobertas infelizes já foram descobertas. E aceitas. Não sei, não sei até quando a gente vai dormir de mãos dadas, nem até quando vai tentar resolver as brigas em menos de três minutos, mas eu tenho certeza de que não vai durar depois de terminar.

Casar é bom, mas há que se levar em conta que o marido é Camilo! :D

Nenhum comentário:

Talvez

Related Posts with Thumbnails