quinta-feira, 29 de outubro de 2009

00,01%: eu gostchio!

Eh quase meia-noite, estou caindo de sono e, dentro de poucas horas, terei que estar pronta pra aproveitar mais um maravilhoso dia de faxina. No entanto, um assunto pede urgência.

Luluis, meu querido, desculpe, mas seu comentario no meu post passado foi extremamente infeliz (pra usar um termo decente). Vamos discuti-lo, amiguinhos?

"99,99% das meninas odeiam esses 'psiu' e 'vem cah', isso é óbvio, mas se uma menina anda quase nua na rua (oq não é o caso de vcs, moças de bom gosto) é pq tá querendo se exibir. E mesmo q ela seja boboca o suficiente pra não ter essa intenção, a galera vai cair em cima, aí não tem pra onde. Se elas não têm bom-senso, não vão ser os caras q vão ter".

Obviamente que um paragrafo machista como esse renderia um livro feminista. Como eu sou escritora de blogs fajutos, não de livros exemplares, deixo aqui apenas minha indignação. Não contra sua pessoa, cuja figura me é valiosissima! Mas ha de se lamentar o deslize, oh, se ha!

Luis, eu gosto dos meus peitos. E acho que não sou a unica. Entendesse? Eu gosto dos meus peitos e gosto dos meus olhos. Pros peitos, eu usava decote, porque gostava de realça-los. Pros olhos, eu usava rimel, pelo mesmo motivo: pra realça-los. Quando percebi que era mais perigoso usar decote do que rimel, parei de usar decote. Me pergunto: é justo?

Leitura obrigatoria:
Sindrome
Lola

Meninas, o que vocês acham?

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Homens são diferentes, machos, iguais

Uma coisa que vai ser obvia pros brasileiros que moram na França (ou na Europa, em geral), mas que pode ser uma novidade pros amigos brasileiros: a França é cheia de arabe. Cheia, cheinha. Ja li que é o pais com o maior numero de arabes na Europa, cerca de 10% da população francesa. No começo da minha estadia na França, lembro que eu ficava super impressionada (SUPER!) quando uma mulher passava por mim com um véu. Quando vi uma mulher usando uma burca, quase que caio pra tras! O choque visual foi extraordinario. Foi alguma coisa do tipo "nossa, elas realmente usam isso". Eh, Luciana, não foi Jade quem inventou a burca.

Mas antes de continuar o post, tenho que admitir minha completa e vergonhosa ignorância acerca dos costumes arabes. Não ha Wikipedia que baste. Morro de vontade de conversar com uma arabe, mas tenho receio de cair nas perguntas-clichê que seriam totalmente voltadas pro bem estar dela dentro de casa, pra religião e pro machismo. Por mais que se diga que algumas mulheres gostam de usar o véu, e não o fazem soh por questões religiosas, eu acho que sempre olharei pra elas com um pouco de pena*. Mas o que tem me incomodado mesmo são os homens arabes. Alguns, obviamente.

Eu percebi, e comentei com Camilo, que todas as vezes em que fui chateada na rua por homens, foi pelos arabes. Sério, todas as vezes. Eh logico que esse post tem tudo pra ser interpretado como um post de uma pessoa preconceituosa e eu não vou ser tão simploria em me defender repetindo o discurso do povo que se julga desprovido de preconceito do tipo: minha vizinha é arabe e meu tataravo também e eu estudo com uma ruma de arabe, logo, não posso ser uma pessoa preconceituosa. Sinto muito. O que eu tenho que admitir é que eu não me sinto bem entre os arabes jovens. Se isso é preconceito, eu aceito o dedo em riste, mas a verdade é essa: eu não me sinto bem entre arabes jovens do sexo masculino. E é bem especifico, assim mesmo!

Os arabes (sempre lembrando que estou falando dos "arabes jovens do sexo masculino") andam sempre juntos, com seus tênis brancos, seus mp3 às alturas e as calças esportivas com elasticos nos tornozelos. Eh facil reconhecer. O meu mal estar e insegurança chegaram depois de sucessivos acontecimentos infelizes entre mim e os AJSM.

Uma vez, eu tava andando de bicicleta com Camilo. Vocês sabem o quanto eu sou perigosa sob duas rodas, não sabem? Pois, nesse dia, resolvi atravessar justamente o caminho de um AJSM que também vinha de bicicleta. Quando notei o cara, freei à tempo, mas isso não impediu que ele, ao passar por mim, me xingasse. Ele GRITOU na minha cara. Perguntei a Camilo o que ele tinha dito e Camilo ficou calado. Perguntei de novo e ele disse que foi qualquer coisa sobre minha irmã (?). Camilo queria me poupar da raiva.

Ai vocês pensam que eu tou sendo dramatica e eu digo que não. No Brasil, eu ja fui abusada na rua diversas vezes, não gosto disso, mas duvido que alguém diria que eu tenho preconceito com brasileiro, não é mesmo? O problema é que, do mesmo jeito que eu não gosto de passar perto de grupos de homens brasileiros (aih, a idade não importa), eu também me sinto incomodada com os AJSM. Se isso é ter preonceito, então tenho preconceitos com brasileiros e AJSM.

Fora as cinco ou seis vezes em que tive a atenção chamada por algum grupo de AJSM ("vem cah", "psiu" e coisas do tipo), vou citar outro exemplo. Uma vez eu tava com Camilo, tinhamos acabado de comer um Kebab (de Kebab eu gosto...) e estavamos sentados numa praça. Tava cheio de AJSM em volta e eu tava atenta à movimentação deles. Noto que um vem se aproximando da gente, olho pra ele, ele olha pra mim e, ao passar pela gente, me diz: "salope!" Salope significa nada mais, nada menos, do que "vadia". Velho, eu fiquei paralisada. Perguntei a Camilo se ele tinha escutado, se aquilo tinha mesmo sido comigo e a gente viu que sim! O cara olhou nos meus olhos e me chamou de puta! Assim, de graça.

E ha umas duas semanas, eu tava num restaurante arabe (num bairro arabe) com Camilo e o pessoal do trabalho dele. Era horario de almoço e, como eu ja tinha terminado o meu e precisava voltar ao trabalho, me despedi dos que ficaram na mesa e sai do restaurante. Dei dois passos fora e um AJSM passa por mim e me da alguma cantada altamente sebosa a julgar pelo tom de voz dele e a forma que ele me olhou. Eca, é aquilo que eu chamo de sexo oral! Fiquei tão puta que arremedei o que ele falou fazendo "nhem nhem nhem" com a lingua pra fora. E passei. Ai ele disse algo do tipo "ah, você não é tal coisa não?" mas eu ignorei. Qual foi minha supresa quando, ao me virar pra tentar desamarrar minha bicicleta, vi que o cara tinha parado e tava me olhando. Ai eu, MAIS PUTA AINDA, olhei pra ele e disse "o que é?". Na hora ele arregalou os olhos, acho que ele não esperava que eu fosse confronta-lo, mas eu repeti "qu'est ce qu'il y a?" umas três vezes olhando pra ele e depois fui embora. O otario soh ficou repetindo meu qu'est ce qu'il y a? Cadê a macheza de dez segundos atras?

Saindo um pouco do tema arabe, ja que isso não é ação soh deles... Acho foda quando sou tratada dessa forma. A Lola morre de falar sobre isso e a gente morre de concordar, mas sempre vai ter cara que acha que essa é uma pratica supernormal, que mulher foi feita pra isso mesmo: pra ser humilhada na rua, abordada, comida com os olhos (quando não pela propria ação). E a gente sempre acanhada. Depois que percebi que boa parte desses otarios soh faz isso porque sabe que a gente não tem coragem de enfrenta-los, é que comecei a fazer isso. Claro que eu não aconselho ninguém a peitar um cara numa rua esquisita. Mas, por exemplo, coisas saudaveis: toda vez que eu voltava da casa do meu ex-namorado, de noite, pegava um ônibus bem vazio com um babaca que sentava la na frente, se virava e ficava me encarado. Tipo assim, colocava o cotovelo no encosto da propria cadeira e ficava apreciando minha estonteante beleza loura. No dia em que eu cansei de me acanhar e mostrei o tamanho do meu dedo a ele, ele soh olhou mais uma vez e parou.

E agora, a moral da historia: nenhuma. Apesar de ter falado durante boa parte do post sobre minha indignação com certos arabes, essas cantadas baratas são coisa universal e acho que, aonde quer que eu vah, vou escutar piada babaca. Afinal, tem alguma mulher que esta me lendo nesse momento que NUNCA teve que escutar piadinha de merda? Seja de AJSM, seja GHRE, seja de BDSZ, KGFV, WXSZJHI... e a puta que pariu?

Como eu imaginei.

*Update (19 de maio de 2010): apesar de nao fazer muito tempo que escrevi isso, me surpreendi com essa minha "pena" em relacao as mulheres que usam veu e sao submetidas a outras formas de (do que eu julgo ser) opressao. Eh facil criticar o veu, mas a gente esquece que, desse lado do mundo, as mulheres sao tao oprimidas quanto, cotidianamente, atraves de pequenos atos que ja foram absorvidos por nossa cultura machista e a gente nem se dah conta! Nao retiro o que eu disse, retifico: tenho pena das mulheres desse mundo.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Express II

Me senti confortada por ver tanta gente revoltada com a situação que fez nascer esse post aqui (Amanda, Mythus, Calcinhas, Helena e todos os demais, obrigada pelos conselhos!). Por isso que agora eu trago novas noticias. Novamente no sabado, recebi outra carta do senhor Gayet (não tou tirando onda, o sobrenome é esse mermo), o motociclista. Nessa carta, ele foi um pouco mais razoavel em relação ao orçamento e disse que encontrou um lugar que cobrava 1OO€ e pouco pra refazer a pintura da frente da moto (o local do arranhão) + o conserto do retrovisor. E, como eu ja tinha dado 20€, eu pagaria ao final "somente" 135€.

De 270€ pra 135€: quanta diferença, senhor Gaynor!

A minha aflição em relação a essa historia tem diminuido, não soh porque o preço diminuiu, mas porque Camilo fez um seguro pra gente que cobre esse tipo de problema, apesar do senhor Gaytorade ter dito que não. A mulher da seguradora disse que se, por exemplo, você vai à casa de um amigo e, sem querer, quebra o computador dele, você pode ser assegurado nesse caso. Legal, né? Mas com a minha sorte, acho que deve ter uma clausula no contrato do seguro que diz "exceto para os casos de arranhão de quatro centimetros em motos BMW verdes".

sábado, 24 de outubro de 2009

Musica francesa: Tryo


Hoje eu tenho uma coisa muito boa pra dividir com vocês. Muito boa pra mim. Ha uns dois posts, eu comentei que havia ido ao Centro Comercial e saido de la com uma compra feliz. Essa compra feliz nada mais foi que um CD. Eh, eu sei que é besteira comprar CD hoje em dia quando existem tantos sites de download de musica, mas vocês vão entender a necessidade da compra depois.

Quando Camilo foi pro Brasil, ele levou na mala as musicas de uma banda francesa chamada Tryo. Foi amor à quarta ou quinta vista. Tryo é um quarteto muito popular aqui na França (pelo menos entre os jovens) que toca musicas "socialmente engajadas": criticam politicos corruptos, a TF1 (a Rede Globo francesa), veneram o Greenpeace, defendem o uso da maconha, cantam as dores da Palestina etc. O estilo é indefinido, vai do reggae ao pop pegajoso. Comecei a adorar a banda (não por seu "engajamento" que, na realidade, me da um pouco nos nervos, ja que a banda critica o capitalismo, mas não disponibiliza nem 15seg de musica do novo album na net e os shows são super caros). E eles tem uma musica que eu adoro (Serre moi), que toda vez que toca, eu penso em Camilo e choro. Hihi

A coisa chegou ao ponto de eu programar minha vinda à França de acordo com um show da banda que iria rolar em Lyon, no 23 de maio (eu cheguei no dia 21). Infelizmente, eu perdi o show porque os ingressos esgotaram muitas semanas antes do evento. Mas no fim de semana passado, eu tava andando com Camilo pelas ruas de Lyon quando, de repente, ele aponta pra um cartaz: era Tryo e o anuncio de um outro show aqui no final de novembro. Duas horas depois, estavamos comprando o ingresso pela internet.

Vocês não imaginam o quanto eu tou feliz de pensar que vou ao show da banda. A empolgação é maior do que foi com o show das Puppini. Gah! Ah, mas esse post vem com a idéia de que eu, a partir de hoje, quando me convir, vou apresentar algumas bandas francesas (ou que cantam em francês) que eu gosto bastante.

Então, ai vai: Tryo

Discografia:
  • 1998: Mamagubida
  • 2000: Faut qu'ils s'activent
  • 2003: Grain de Sable
  • 2004: De bouches à Oreilles (live)
  • 2008: Ce que l'on sème
E aqui, o album que me introduziu à banda: [Grain de Sable - 2003 - download]

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Graça

Tou com tempo livre no computador e nem sei o que fazer. Eh emoção demais para uma soh pessoa. Ultimamente, não tenho tido tempo de fazer o que eu mais gosto nessa vida: perder meu tempo. Além das minhas amadas faxinas, agora ocupo meu dia com as aulas de francês. Sim! Porque agora eu tenho aulas de francês (novamente)!

Acho que não cheguei a comentar por aqui, mas a Madame Marti, como a França insiste em me tratar (mesmo eu dizendo que mantenho meu nome de jeune fille), precisa passar por um teste de francês (o DILF), precisa assistir à duas palestras sobre a cultura francesa (ou qualquer coisa que o valha), passar por um teste médico e ainda assinar o Contrato de Integração. Na convocação primeira, eles fazem um pequeno teste pra verificar o seu nivel de francês e, dependendo do resultado, a Prefeitura encaminha a pessoa pra uma escola onde ela tera aulas de francês de graça.

Ouvi falar que, quem não sabe de nada da lingua, recebe 400h de aula. Eu recebi "somente" 200h (no teste o cara mostrou varias imagens, entre elas a de uma garrafa de Coca-cola e disse "onde esta a Coca-cola?". Teste de francês ou de conhecimentos gerais?). Fiquei extremamente feliz por, finalmente, não ter que desembolsar nada nesse pais! Eh um acontecimento unico que eu vou aproveitar bastante. Ou não.

Esperei mais de um mês pelo começo das aulas. Tava super empolgada, mas quando cheguei na sala, percebi que minha turma tinha o nivel inferior ao dos japoneses da Universidade Catolica (onde fiz meu primeiro curso de francês). Antes que vocês me perguntem, eu também não sei como isso é possivel. Em cinco minutos de aula, algum arabe perguntou se é preciso colocar, obrigatoriamente, o ponto de interrogação no final de cada pergunta. Não sei, é preciso? Eu sei que a logica da lingua francesa não tem a mesma obviedade pra eles como a tem pra mim, mas isso não quer dizer que eu tenha que ter paciência com o processo de aprendizagem deles.

A turma era bem variada: tinha uma velha com dentes de ouro; outra mulher (uma versão envelhecida de Salma Hayek) sem braço; uma semi-surda; um velho barbudo de muletas; e uma senhora com uma mancha rosa que tomava todo o seu rosto. A unica semelhança entre todos eles é que nenhum sabia dar uma palavra em francês. A sorte é que a professora notou que eu era "sabida" e disse que "na proxima semana, você pode mudar de turma". Até essa semana chegar, eu sofri quatro dias com uma senhora que, ciente da minha sabidice, sentou ao meu lado todos os dias e copiou todos os meus exercicios. Isso não seria problema nenhum se ela não tivesse mal halito.

A turma de agora ainda deixa a desejar, mas as aulas vão acabar em dezembro ou janeiro (o negocio é tão organizado que ninguém sabe...) e, depois disso, se eu passar no teste do DILF, poderei deixar as aulas antes de completar as 200h de aula. Um sonho!

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Express

"Se eu contar, ninguém acredita" pode virar uma série permanente nesse blog. Não que eu adore passar por situações espetacularmente improvaveis, mas é que o azar tem me perseguido. E, tipo assim, sabado passado me entregaram uma carta e vi que o nome do remetente não me era estranho. Dai, me dei conta de que era o nome do motociclista do post passado. Eu ignorava o conteudo da carta, mas a ultima coisa que eu pensei foi "que legal, uma carta, ele deve estar muito preocupado com meu estado de saude". Vi uma carta imensa escrita à mão e um papel. Arranquei esse papel das mãos de Camilo e desci a vista procurando aquilo que eu sabia que ia achar: um valor. E um valor salgado: 270€. Isso mesmo. O papel era a estimativa da nova pintura da moto dele. Duzentos e setenta euros. Meu coraçãozinho cansado parou. Quando ele terminou de ler a carta (em que o cara dizia que o arranhão era profundo demais pra ser removido com um kit-emergência lah), eu soltei o choro que eu tava segurando. Tudo bem, eu estava errada por estar pedalando na calçada, tudo bem, eu não consegui prever que o cara não ia parar a moto depois das meus insistentes toques de campainha, mas eu acho que eu não mereço pagar DUZENTOS E SETENTA EUROS por causa de um arranhão de QUATRO CENTIMETROS numa porra de uma moto!

Canalisando a raiva, canalisando a raiva... meu cu, meu cu...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A outra

Se eu contar, ninguém acredita. Pensando bem, se eu contar, todo mundo vai acreditar. Eh, meus amigos, eu levei OUTRA queda de bicicleta. Hihihihi Eu realmente não sei como isso acontece Uns vão dizer que é falta de atenção, mas eu acredito piamente que eu deva ter sido macumbada antes de sair do Brasil. Eh a quarta queda em terras francesas! Mas antes de narrar a coisa, quero dizer que eu estou bem - escutou sr. Viana?

Hoje, depois de uma sessão de faxina pela manhã e uma tarde sufocante numa sala de aula (assunto pra outro post...), decidi dar uma passada no Centro Comercial pra matar o tempo, porque Camilo iria encontrar um amigo salvadorenho e eu não teria porra nenhuma pra fazer em casa. Sai de la com uma compra feliz (assunto pra outro post!) e achei que minha noite seria tranquila: eu, em casa, deitada na cama, me deliciando com minha compra (relaxa, não foi um vibrador).

Ai la vai Luci, num frio do cacete, voltando pra casa de bicicleta. Ja a cinco minutos de casa, eu tenho que passar por um caminho muito chato onde tem uma rua muito estreita de um lado, o caminho do tramway no meio e outra rua do outro lado, também junto à linha do tramway. So que essas ruas são tão estreitas, que não cabe uma bicicleta e um carro ao mesmo tempo, então, pra que o carro não atropele os ciclistas, ele sobe na linha do tramway. Pra evitar acidentes (veja bem que menina precavida!) eu ando pela calçada que é superlarga, mas eu não gosto disso, porque acho que a policia não gosta disso. A policia não gosta de nada.

Na ultima vez que estive na calçada, NESSA calçada, uma velhinha fez sinal pra eu parar e disse "olha, cuidado com os pedestres, certo? Não quero te dar sermão, sei que esse é um assunto polêmico, mas cuidado". Ela disse na boa, sorri, agradeci e segui. Então, hoje eu tava andando como sempre ando pelas calçadas: devagar. Então, eu vi quando uma moto tava saindo de um prédio, o motoqueiro tava indo devagar, tranquilo, olhando pro lado esquerdo, so que eu tava vindo do lado direito. Ai comecei a fazer tilim tilim na campainha da bicicleta, mas não diminui a velocidade. E, como o cara não ouviu meu tilim tilim, ele acelerou a moto e CRASH, BING, PLOFT!


Nessa foto vocês podem ver meu amor pelo Google Maps e pelo Paint.
Na seta vermelha, eu. Na seta azul, ele. No ponto vermelho, nohs.


A unica coisa que eu ouvi na hora foi um grito de horror. O grito nem era meu, nem era do homem, era de uma menina que presenciou a cena. Correu um monte de gente pra me ajudar porque tinha uns jovens na calçada (eu falei "jovens?"). Ai eu me levantei e recuperei meu querido pé que estava preso em alguma roda. Enquanto tentanvam tirar a bicicleta que estava presa na moto do cara, percebi que a menina que tinha gritado tava do meu lado, com a mão no peito, totalmente ofengante. Eu perguntei se ela tava bem. Fiquei imaginando se a coisa tivesse sido com ela! O motoqueiro disse que tava tudo bem, que soh a pintura tava arranhada, ai eu, numa tentativa de ser espirituosa, disse, mostrando meu pé, que minha pintura também tinha arranhado. Ninguém riu.

Bom, quando vi minha bicicleta toda torta numa espécie de acasalamento com a moto do cara, tive vontade de gritar de raiva. Minha bicicleta é um dos melhores presentes que ja ganhei (né, cocô?) e eu não consigo passar um dia sem ela. Pra piorar, minha LINDA cestinha tava toda torta. Puta que pariu! Mas o cara foi gente fina, apesar da culpa ter sido completamente minha. Sai de la mancando, prendi minha bicicleta em qualquer lugar (ela tava inutilizavel) e sai pra pegar um velov.

Ja na estação, Camilo liga e, cinco minutos depois, o cara da moto me reencontra. Eu desligo o telefone e ele me diz que a pintura da moto dele foi cara e ele queria uma ajuda pra ajeita-la. Tirei do bolso minha tatica de choro antes praticada com o policial e disse que eu era femme de menage, que eu soh tinha 20€ no bolso e ele disse que isso tava bom. Ele foi simpatico, deu um toque do celular dele pro meu, pegou meu telefone e pediu meu endereço depois de dar o dele. Espero que ele não venha mandar a conta da pintura pelo correio, porque a moto era daquelas enormes, fuderosas!

Camilo tem que ensinado a ser uma pessoa menos dramatica, doida e estressada. Ele diz que é impossivel que eu controle meus impulsos, mas que eu posso canalizar meus sentimentos. Tão lindo! Então, quando vi a bicicleta fudida, a cestinha amassada e a carteira vazia (e ainda imaginando o conserto da bicicleta), fiquei chateada por um momento, mas canalizei a raiva. Enfiei ela no meu cu e ela repousa la até este momento. Amém.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Eu nunca digo nunca?

Ao andar pelos arquivos do supremo blog Sindrome de Estocolmo, achei esse post e fiquei super empolgada pra fazer igual. Eh a segunda vez que vejo esse tipo de lista em que você diz quais são as coisas que você nunca vai fazer antes de morrer. Eu sou completamente viciada em questionarios ou listas desse tipo. Mesmo que seja uma ficha médica com meus dados pessoais a ser preenchida pra dar entrada no hospital, tah valendo! Se Camilo me visse escrevendo esse post, ele iria rir. Eu odeio e adoro coisas com grande convicção. O problema é que minhas grandes convicções duram trinta segundos.

- ODEIO cebola.
- Prova essa aqui.
- Não!
- Soh um pouco...
- (nhac)
- E ai?
- ADOREI! Meu deus, eu adoro cebola! :D

Tipo isso. Portanto, que fique bem claro que essa é a lista do 13 de outubro de 2009. Então, vamos à mais uma inutilidade publica:

O que eu acho que não vou fazer antes de morrer:

- deixar de ser dramatica;
- parar de gostar de escrever (em blogs ou diarios ou emails ou cartas);
- deixar a Historia de lado;
- parar de ser chorona;
- gostar de comédia romântica;
- abrandar a vontade de ser mãe;
- ser paciente;
- parar de roer unha;
- ter orgulho da minha irmã;
- deixar de me emocionar ao pensar em Camilo;
- ficar tranquila diante de um exemplo de machismo;
- fazer bronzeamento artificial;
- deixar de beber cerveja;
- ir aos EUA à turismo;
- ouvir Zeca Baleiro;
- entender Drummond;
- gostar de biscoito recheado de morango;
- deixar de comer chocolate;
- poupar palavrões, seja qual for o motivo;
- não ter medo de espirito;
- deixar de me questionar sobre minha auto-estima;
- deixar de amar Fabio;
- ser fresca;
- parar de achar que os Beatles são os melhores e sempre serão;
- gostar de flores;
- achar que religião e Estado combinam;
- confundir cavalheirismo brega com educação;
- deixar de falar de sexo escancaradamente;
- gostar mais das amizades femininas que das masculinas;
- usar aliança;
- deixar de odiar e adorar coisas com grande convicção;

sábado, 10 de outubro de 2009

PARIS - por Amanda Lourenço

Tenho a honra (finalmente eu tenho alguma honra...) de receber o post que abre nosso querido amigo-secreto-geek! A autora, ou melhor, a pessoa que me tirou foi a senhorita, ou melhor, senhora, Amanda Lourenço, que escreve o Petit Journal de la Porte Dorée. Lembrando que o tema dos posts é Paris. Apreciem a leitura e, ao fim dela, descubram quem é meu amigo-secreto.


::

Quando a gente larga nossa casa e vai pra um lugar completamente desconhecido, com uma lingua estranha, sem amigos nem conhecidos, sem saber absolutamente nada o que vai acontecer, tudo o que a gente espera é ter um pouco de sorte. Quando fui morar em outro pais pela primeira vez, era isso o que eu mais esperava: ter sorte na minha aventura. Fui morar em Brisbane, na Australia e la senti muitas vezes que a sorte não estava do meu lado. Demorei a conseguir um apartamento, cruzei com algumas pessoas detestaveis, custei pra encontrar um emprego e quando consegui, foi um que eu realmente nao gostava e que eu fazia super mal. E ainda ganhava pouco. Nao que minha estadia tenha sido ruim, mas foi cheia de obstaculos chatinhos.

Decidimos morar em Paris. As pessoas me perguntavam, "mas o que você vai fazer la?" e eu respondia que não fazia a menor ideia, vamos ver no que da. Vim sem um plano definido, sem lugar fixo pra ficar, sem emprego, sem nenhuma aula de francês e pouco dinheiro. De bagagem, trouxe uma mochila. E olhando pra tras, desde o dia em que botei os pés em Paris, eu so posso dizer uma coisa: tive uma puta sorte o tempo todo! Consegui emprego na primeira semana sem falar francês; demos sorte com apartamento, ja que o primo do cheri foi pro Canada bem na época em que chegamos; o cheri conseguiu passar nas provas super dificeis que ele tinha que fazer, sem ter tido as aulas, e aos poucos fomos nos instalando no nosso pedacinho de Paris que nos cabe. Depois eu consegui ser aceita no mestrado, e esse ano consegui uma bolsa. Antes de vir, fizemos uma lista das coisas que queriamos ter consquistado em 3 anos e ja ultrapassamos as expectativas.

Vim sem muita vontade, tinha descoberto que meu estilo de vida combina mais com uma cidade pequena, mas nao posso negar que Paris me recebeu de braços abertos e me deu tudo o que ela podia me dar. Nao fui eu que escolhi Paris, foi ela quem me escolheu desde o começo. As propostas de estudos e empregos vieram todas daqui e decidimos vir. As promessas nao foram falsas. Eu teria preferido alguma cidade do sul, mas sei que as coisas nao teriam dado tao certo.

Pra quem achava que todas as metropoles eram iguais, me surpreendi com o charme de Paris. Pra quem achava que ja tinha visto a torre tantas vezes em fotos que nao ia se impressionar, senti no meu peito um soco de êxtase quando olhei pra ela pela primeira vez (alias, a cada vez!). Pra quem achava que casa era o Rio de Janeiro, me vi com saudades do meu chatô de 23m² quando viajava. Pra quem achava que morar aqui durante tanto tempo fosse ser dificil demais, ja estou sofrendo por antecipação com a ideia de ir embora de vez.

O que Paris nao pode me dar, sao as pessoas que amo e que estao longe, mas eu juro que é so olhar a minha volta, ver a beleza inacreditavel dessa cidade, que eu me sinto melhor. Até me confortar, essa cidade me conforta, do jeitinho dela. Se for pra sentir saudade, que seja em Paris. Fica aqui a minha primeira declaração de amor por essa cidade que me acolheu tão bem. E a partir de agora fico mais tranquila em saber que, aconteça o que acontecer, We will always have Paris.



::

Agora, desculpem por quebrar a magia que o final do texto proporciona, mas queria anunciar que meu amigo-secreto é a, quase senhora, Aline Mariane (woo-hoo!). Então, migrem pro São Paulo - Paris - Dakar e esperem meu post a qualquer momento!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

A grande fraude

Menstruar é, definitivamente, uma merda na vida de uma mulher - na minha vida -, e, quando você lembra que todos os seus absorventes estão lindamente encaixotados para a mudança, a coisa se torna mais dramatica. Quando Camilo viu a quantidade de absorventes que eu tava trazendo do Brasil, ele perguntou se eu ia enfrentar uma guerra. Quase. Privada do acesso aos meus higiênicos tampões femininos, fui obrigada à ir, pela primeira vez na França, ao supermercado pra comprar novos absorventes.

O Leader Price pode se garantir no preço baixo, mas a variedade de seus produtos é discutivel. Com pressa, procurei por um absorvente com abas, que suportasse um fluxo médio e não fosse muito caro. Como não achava nada, resolvi pegar qualquer coisa e escolhi um pacote de absorventes noturnos (que costumam ser grandes), apesar dele não possuir abas.

O pacote continha doze absorventes, mas pelo tamanho, parecia conter trinta. "Esses absorventes devem ser enormes". Não, minha senhora dona de casa, eles não eram enormes, eram gigantescos! Eu mal conseguia fechar as pernas com aquilo. O absorvente começava no umbigo e ia até o meio da coluna. Eu sai do banheiro morrendo de rir. Quando sentei na bicicleta, senti um conforto imenso. Era um absorvente multiuso: absorve e amortece. Contei essa historia pra Camilo e ele tirou onda perguntando se eu tava usando fralda. E eu disse "tu acredita que esse absorvente serve até pra incontinência?" - eu não estava brincando. Quando chegamos em casa, analisamos melhor o pacote e nele estava escrito "couche". Ou seja, fralda.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

A minha primeira vez

Continuando os posts das sensações dos ultimos tempos...

Essas semanas têm sido bem cheias pra mim. Antes, mesmo quando eu ainda escrevia a monografia, eu passava o dia inteiro na frente do computador, cheia de tédio. Agora tenho pensado no quanto minha vida mudou nesses ultimos tempos. Acordo cedo, almoço fora, e vou dormir pesadamente cansada. Pelos meus calculos ridiculos, devo pedalar mais de uma hora por dia, ja que minha nova casa fica beirando o mapa e ta quaaase fora da cidade. Mas as celulites ainda não entenderam que eu ando fazendo muito exercicio: continuam firmes e fortes, ao contrario das minhas carnes.

Pra completar, nos mudamos na ultima quarta-feira. E passei uns três dias trabalhando na mudança. Provavelmente eu ja disse isso neste blog, mas vou dizer de novo: a casa é o maximo! E ainda ganhamos o maior quarto da casa à base do "pedra, papel e tesoura". Papel pra mim, pedra pra Co. Foi emocionante. So não estou escrevendo com maior emoção por estar um pouco bêbada-cansada.

A pressa tem sido grande. Como a casa estah longe de tudo, tenho que pedalar muito pra chegar em qualquer lugar. Dessa forma, como o horario entre uma faxina e outra é apertado, meu horario de almoço dura 15 min, 20min, 30min. Essa pressa me fez cometer minha primeira infração em terras francesas. La estava eu, feliz da vida (apressada pra caralho) andando pela Saxe Gambetta (para os pessoenses, um tipo de Epitacio Pessoa). Um trafego do caralho, muita gente na rua, carros parados, hora do rush e eu la, cuidadosamente passando pelo sinal vermelho. Ando dois metros e um policial careca pula na minha frente. Faz sinal pra que eu encoste. "Merda".

"Sua identidade, por favor". Eu sabia que não tinha porra nenhuma comigo, mas eu tampouco sabia o que fazer, a não ser procurar pelo passaporte que, eu sabia, estava em casa. Enquanto isso, o policial explicava que eu passei pelo sinal vermelho. Uau, sério? Nem notei. Eh que, no Brasil, o sinal fechado fica azul, seu moço. Não? Ok. "Errr... Mon passeporte est chez moi..." Ai fudeu. Quando ele sacou que eu era estrangeira, começou com um "aqui na França se respeitam as leis". Pfff... Mas e eu la, escutando caladinha. Como eu não reagia, ele começou a dizer que eu teria que ir à "delegacia" pra fazer a verificação da minha identidade. Como eu não reagia, ele disse que eu passaria 4h la nesse processo. Ai eu reagi.

Gente, pra uma pessoa apressada como eu, o fato de passar 4h "presa" à burocracia babaca francesa era pior que a multa de 135€ que eu teria de pagar. Porque, na verdade, eu não consegui identificar em que tempo verbal ele me ameaçava. Não sei ainda se ele disse que eu tinha que pagar naquele momento a quantia, ou se eu iria ser multada numa segunda vez. De qualquer forma, até aquele momento, nossa conta bancaria ainda estava no vermelho e tudo o que eu não queria, era chegar pra Camilo e dizer que eu fui multada em mais de 100€. Então, lancei minha "tatica:" comecei a pedir pra ele falar mais calmamente (dando uma de doida, com o se eu não tivesse entendendo nada), interrompi o careca duas vezes pedindo pra ele repetir e fiz uma cara de choro (essa, sem precisar me esforçar). Eu esperava que, dessa forma, ele se cansasse de mim e tivesse vontade de mandar pastar essa porra de estrangeira nojenta que vem ao meu pais quebrar nossas leis. E foi isso que ele fez. Eu ainda disse que nunca mais iria fazer aquilo novamente e escutei, com muito odio no coração, ele dizer "é, eu sei que não". Fela!


sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Tarde de superlativos

Ha uma hora, quando liguei meu compuatdor, eu estava feliz e contente porque:

- meu computador ligou;
- eu tinha acesso à internet;
- eu tinha, finalmente, tempo pra atualizar meu blog;

Como essas três coisas se tornaram raras nos ultimos dias, o meu sorriso era enorme. Comecei um post no Bloco de Notas e falei nos detalhes como foi o encontro em Paris. De repente, o computador desliga e, quando retorna à vida, percebo que o post sumiu (sim, obviamente eu estava salvando o arquivo a cada frase feita). Agora tou puta da vida e não vou mais escrever sobre o encontro de Paris.

Mentira, eu vou. hihihi

Como metade da empolgação foi embora junto com o arquivo perdido, vou resumir minhas sensações sobre o encontro. Do começo, pra quem não pegou a historia: neste ultimo fim de semana, fomos à Paris para o I Pic Nic de Blogueiros Brasileiros Residentes na França (denominação tosca por minha conta). A idéia partiu de Amanda, que, percebendo que a interação via blogs era formidavel, resolver dar cara aos blogueiros e convidou a todos pra um pic nic.

Camilo ja estava em Paris à trabalho, então, se juntou a mim e, no final da tarde da sexta-feira, chegamos à casa de Amanda e Cheri. A noite foi tranquilissima. Quando li o blog de Amanda pela primeira vez, ficou claro que eu iria voltar com frequência, como de fato aconteceu, mas não imaginava que em poucos meses eu estaria passando uma noite na casa dela. O casal em si é massa, da pra entender porque eles se amam. Muita historia pra contar e um bom ouvido pra escutar.

No dia seguinte, fomos ao Parque Esqueci o Nome e nos sentamos à beira de um laguinho. Ok, não tão à beira. Nesse momento eramos:

Amanda e Cheri, Maira e Rafael, Rodrigo-Rafael, Margareth e François (por algum motivo desconhecido e infeliz, Margareth não tem blog), Aline, Mariana, Bel e duas amigas, Benzina e China (o casal mais bonito da tarde), eu e Camilo.

No post-frustrado, comentei sobre cada uma dessas pessoas, mas o que eu queria mesmo é falar do todo. Usando as palavras de Amanda, foi isso: "Nos temos muitas afinidades em comum, senão não perderiamos tempo lendo os blogs uns dos outros". Como você disse, esse não foi um encontro comum. Sempre vejo os Orkontros dos brasileiros em Lyon e morro de tédio soh de ver os topicos. Velho, pra eu ter gasto o dinheiro que eu não tinha (até ontem, estavamos com - 60€ na conta), ter pego um trem sozinha e ido encontrar gente que eu nunca vi na vida, é porque eu sabia que ia valer a pena. E valeu mesmo!

Além de me empanturrar minha tripinhas de comida (bonissima) e beber vinho até os dentes ficarem roxos, ri muito, ouvi muita historia, recebi conselho, fui bem recebida (Benza, Margareth e Amanda, nesse sentido, um obrigada em especial. Puta merda!) e sai muito contente do Parque. Impressionante: é o que eu tenho a dizer.

A Mariana teve a idéia de um amigo-secreto-geek em que trocaremos posts sobre o tema "Paris". Rah! Acho que essa vai ser a primeira experiência de amigo-secreto da qual eu não vou me arrepender de ter participado. No memoravel amigo-secreto de 1996, na escola, eu disse aos participantes "por favor, eu não gostaria de ganhar um colar dourado. TUDO, menos um colar dourado". Tava na moda dar essas porcarias como presente. E não é que a pessoa que me tirou (VANESSA MALDITA!) me deu um colar dourado com um dalmata amarelo pendurado e ainda disse "achei tua cara"? Fiquei... putissima. Inesquecivel, inesquecivel... Dessa vez, arrisco: me deem (escrevam) o que quiserem! Tenho apreciado bastante as sugestões desse povo.

Obs: fico devendo as fotos e tenho uma otima desculpa: a câmera tah em alguma caixa desconhecida (processo de mudança de casa).
Obs2: pra quem se preocupou, Camilo recebeu seu esperado salario hoje. Tudo bem que cada centavo ja esta destinado e nao sobrara pn, mas o importante eh que saimos do vermelho. Merci!

Talvez

Related Posts with Thumbnails