segunda-feira, 19 de julho de 2010

Abra sua mente, francês também é gente

Ha umas semanas, uma amiga de João Pessoa me escreveu dizendo que uma amiga sua viria estudar em Lyon em 2011 e que, portanto, ela passaria meu contato pra que eu pudesse tirar eventuais duvidas que sua amiga pudesse ter sobre Lyon. Uma das preocupações vistas nos emails da moça, foi em relação à ma fama do humor do francês. Entre outras coisas, ela disse que não vem com expectativas de fazer amizade com franceses e que vai tentar se controlar pois é uma pessoa que gosta muito de abraço. Diante de um desabafo desses, achei que eu poderia escrever diretamente no blog sobre o assunto afim de (tentar) apagar algumas lendas sobre o povo dessa terra.

(Meio que repetindo o que eu ja disse aqui).

Quando falam que o francês é frio, eu entendo, mas não concordo. Porque frieza pra mim tem algo a ver com "indiferença", com "falta de entusiasmo", com "desinteresse". E essas são palavras que eu não consigo relacionar às pessoas que conheci aqui. Palavras que pra mim são mais apropriadas pra descrever o francpes são reserva e discrição.

Eu tava conversando com Camilo sobre esse assunto na quinta-feira passada, porque acho que ele é a pessoa mais apropriada pra se falar sobre o assunto: morou no Brasil e na França. Eu comentei com ele que, quando você chega num bar num Brasil, você conversa com o desconhecido da sua mesa como se fosse seu melhor amigo. Pergunta sem travamentos sobre coisas pessoais da vida da criatura e essa pessoa te responde sem maior desconforto. Eu sinto que, no Brasil, a amiga da escola vai virar amiga de infância na primeira semana de amizade. E aqui, meus amigos, não é assim. Dai, chega o brasileiro, com sua referência cultural, esperando que as pessoas sejam tão festeiras quanto ele. Caso não caiba na formula, sentenciam logo: francês é frio.

Lembro de um professor que eu tive na universidade dizer que, quando ele chegou na Paraiba, vindo do Sul, ficou chocado quando um homem que ele não conhecia, se meteu na conversa que ele estava tendo com um amigo dentro do ônibus. Pra mim, isso era a coisa mais normal do mundo, até eu chegar na França e observar que as pessoas não fazem esse tipo de coisa. "O brasileiro é metido", Camilo disse. Pra mim, o brasileiro é tão metido quanto o francês é frio: é uma questão de ponto de vista. Cada um com sua referência.

Ano passado morei com uma figura da qual Camilo gostava muito, Pierre. Comemoramos o aniversario de Camilo uma noite e, no dia seguinte, la estava eu, ressacada, varrendo as tampinhas de garrafa que estavam pela casa. De repente, noto a presença de uma pessoa se balançando na minha frente. Quando levanto a vista do chão, vejo Pierre dançando. Detalhe: completamente nu. Comecei a gargalhar e dai ele correu em direção à cozinha e foi abraçar Camilo. Isso parece ser atitude de uma pessoa fria pra você?

Quando voltei de uma viagem ao Brasil, em março, uma das meninas que moram comigo me perguntou se eu havia gostado, se sentia ainda muita saudade. Eu disse que sentia, pelo contrario, que minha vida fazia mais sentido na França, que era aqui que eu me sentia mais confortavel. Ela disse que ficou muito feliz de ouvir isso, largou o que tava fazendo e veio me dar um abraço. Não sei, mas atitudes como essas não me fazem ter uma ma idéia do francês.

Outra: semana passada fomos a um restaurante que adoramos. Nas ultimas quatro vezes, fomos atendidos por uma garçonete que tinha acabado de ser contratada. Ela sempre foi muito simpatica. Quando viu que eu era estrangeira, explicou com detalhes como os pratos eram feitos. E ela vem sempre a nossa mesa perguntar como a comida estah. Na penultima vez, sentou na nossa mesa e começou a papear (velho, não lembro disse ter acontecido no Brasil, jamais). E, na ultima vez, ela me chamou pelo nome. Como ela sabe meu nome? Eu não sei, mas ela sabe. Depois comentei que tinha ido à Prefeitura pela manhã e ela, "desculpa, eu não quero ser indiscreta, mas o que você foi fazer la?". Simpatica e educada: me ganha.

Mas vamos la. Leitor, pense por um minuto:

- No Brasil, você ja foi mal entendido numa loja?
- Você conhece alguém mal humorado?
- Você tem uma vizinha prestativa?
- Seu medico é legal?

Tenho certeza que, pra todas essas perguntas, houve um "sim" e um "não". Aqui, acredite, o francês faz festa, da gargalhadas, tem mal humor, tem amigos proximos, chora quando estah triste, é educado, é ignorante e... Opa, tah notando alguma semelhança com o brasileiro? Pois é, francês não é bicho papão. Se fosse, eu não estaria casada com um.

13 comentários:

Glória Maria Vieira disse...

Salve, salve, seu Camilo!:D
kkkkkkkkkkkk Ow que fofinha, Chefa! (Mostra pro seu maridaço o poste. Ganhar créditos nunca é demais! cof cof UASHUAHSUHUAHSUASHAUH)

Sim... que Pierre é esse, ein?! INZI PRA ELE! kkkkkkkkkkkkkkkkkk Balançando as troxas sem o cinto de segurança (cueca). UAHUSHAUHSUAHSUHAUHSUAHSSH
Mas brincadeiras a parte, o povo deve ter se deparado com alguns franceses virados no cão e taxaram o resto da população como fria. MAS TAMBÉM não podemos descartar essa descrição toda deles que, às vezes, passa a sensação de frieza, já que estamos acostumados a meter os dedos em tudo que é vida! UASHUAHSUHAUHSAUHSUHASUHAUHSUH
Daí quando o negócio se estreita, achamos que ficamos "a chupar gelo". kkkkkkkkkkkkkk /Criei essa especialmente pra o inesquecível, caso me esqueçam! \o/ (Quero créditos também, Chefa! kkkkkkk =*)

Glória Maria Vieira disse...

Só pra fazer jus ao meu esquecimento da peste:
AAAAAAAAMEI o título da postagem! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk /uma resenha da boba! Só podia ser você!=* (L)

Helena disse...

A minha teoria: francês você tem que conquistar, demanda um pouco de esforço. Brasileiro já é teu melhor amigo no primeiro papo :D

ashenlady disse...

O bom de viajar e se envolver com a cultura local é quebrar essas idéias formatadas que temos de outros povos e até de nós mesmos.

Mas no geral, acho que brasileiro não sabe é ficar quieto. Não consegue ficar em silêncio com os próprios pensamentos, daí puxa assunto com qualquer um, só pra ter o que fazer.

Iara disse...

Luci,

Minha experiência foi bem diferente da sua, porque eu vivia na casa de uma família, como uma relação de empregada. Além disso, os pais da criança tinham a idade dos meus pais, então lidava sobretudo com gente mais velha, que tende a ser mais formal que os mais jovens. Mas posso dizer que eu concordo com sua opinião. A mãe da menina demorou muito tempo pra ter uma relação calorosa comigo. Ela me tratava com respeito e simpatia, mas muita distância, até os 6 primeiros meses. Mas fomos construindo uma relação bacana que em algum momento implicou trocar confidências. Ano passado eu estive em Paris e fiquei 3 dias hospedados com eles, me levaram pra jantar, foi ótimo.
Acho que francês não gosta de relação superficial. De ser simpático por ser simpático, só. Mas são sinceros e afetuosos quando querem ser, sem dúvida alguma.
Por outro lado, acho bom ressaltar que você está em Lyon, não em Paris. Entre os próprios franceses os parisienses tem fama de serem grossos. E lá já fui tratada com muita grosseria por desconhecidos, especialmente em pontos turísticos, mesmo me comunicando num francês competente.

asnalfa disse...

Esse Pierre é homossexual?? Pq "gostava"? Hoje o Camilinho não gosta mais dele? Ele é bonito? Tem blog ou foto dele aqui no blog?
Me desculpe, mas não gosto de terceiros se intrometendo nas minhas conversas privadas, a não ser se for em local onde o tempo deve passar mais rapido como salas de espera de médicos ou lugares bem informais. Mas quando estou falando bem baixinho e estou com pessoas queridas é pq quero privacidade mesmo estando num ambiente público.

mafaqueta disse...

renatinha é uma das pessoas mais calorosas que conheco. amou os argentinos e ja prevejo o medo dela com a "frieza" (ou demora em amolecer) do povo frances... mas achei otimo ce dá essas dicas e ofertar novos pontos de vista, mor! nao so pra renata mas pra toda galera que tem esse tipo de receio

;*

Neide disse...

Oi Luci!
Concordo plenamente com vc em relação aos franceses! eles são realmente discretos , mas com o tempo vão se soltando. O meu marido hoje em dia é pior do que eu, faz muita piada de situaçoes , e de frio nao tem nada! e olha que eu falo de um homem de 50! a minha sogra atualmente brinca muito comigo e me abraça e beija muito! e o meu francês é parisiense! é extremamente educado.

Mariana disse...

O que pega pra mim é a formalidade. Esse negocio de ser discreto e respeitar o espaço da vida pessoal alheia eu acho otimo. Mas com a formalidade, confesso que me dou meio mal. Sempre fico me perguntando se não estou sendo informal demais, se não estou passando algum limite sem saber... tanto que mesmo depois de começar a tutoyer eu de vez em qdo me pego vouvouyendo no piloto automatico!
Mas enfim, questão de aprender com o tempo!
bjus!

Caso me esqueçam disse...

vice-dona: "chupar gelo" - registradissmo! nego que for usar a expressao tem que pagar dois reau a dona gloria! do contrario, pena de morte (porque ser exagerada eh tudo) ;)

helena: entao! por isso que estrangeiro se fode aqui. hohohoho

ashenlay: ate conhecer camilo, eu tambem tinha essa visao sobre o frances. alias, principalmente sobre o cheiro. fiquei curiosa pra saber se meu camilito fedia. e olha soh, ele tambem tem glanduras sudoriparas, igual a mim, olha! (e concordo com voce! brasileiro nao sabe ficar na dele).

iara: eh, acho que, uma vez vencida a barreira dos primeiros encontros, a coisa desanda. quer dizer, anda. fiz faxina na casa de mulheres superchatas! ergh! no entanto... outras me mandaram cartao de natal, veja soh! mas sobre essa chateacao nos pontos turisticos em paris, eh como a amanda escreveu uma vez: deve ser chato pro jornaleiro que trabalha perto da torre effeil dar as mesmas indicacoes todos os dias aos turistas que aparecem por lah. vamos dar um descontinho, coitados hehehe

asnalfa: nao entendi porque a pergunta sobre a sexualidade de pierre. soh porque ele foi abraçar camilo pelado? bom, ate onde eu sei, pierre e camilo nao sao gays. e, sim, camilinho ainda gosta do amigo.

mafaqueta: se eu tivesse escutado tanta besteira sobre o povo daqui, eu tambem taria desconfiada. mas quando ela chegar aqui, ela vai ver que nao eh nada disso. hihihi

neide: taih! voce deu um otimo exemplo: sogra e parisiense legal? o povo precisa saber disso! ;)

mariana: ah, em todo caso, eu sempre fico na minha. ou entao, faço como a garçonete: "nao quero me meter, mas..." e completo. dai, se responder, bom. se nao, tant pis!

Simone disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Simone disse...

Eu só percebi o quanto "holandezei" nessas minhas férias no Brasil.

O que mais tem me irritado é como as pessoas aparecem na sua casa, sem nem mesmo sequer ter dado um telefonema pra avisar que virão, é uma despreocupaçao total se você tem um compromisso e está de saida, se está ocupada com algo na sua casa ou até mesmo se você está lá largada de calcinha e com o cabelo em pé e não quer ver gente mesmo, ai como eu odeio gente que não avisa que vai fazer visita, se fosse na Holanda, eu abria a gretinha da porta e mandava voltar depois, e as pessoas entendem ou melhor nem fazem isso, mas no Brasil, no minimo vão jogar uma praga em você.

Outra coisa são as perguntas indiscretas, ou os comentários das senhoras que sentam na minha rua. Acostumei tanto as vezes a nem pentear o cabelo na Holanda e ir ao mercado, calçar um chinelo com meia e ir até a lixeira na esquina e ninguem, nunca vai parar e olhar pra sua cara, porque simplesmente não é da conta de ninguem, mas aqui, é você passar e escutar os comentários pelas costas, ou até mesmo as suposições: como foi que ela conseguiu arrumar um namorado holandes gorrrrrrrrrrda desse jeito e com esse cabelo horrivél?

Para tudo que eu acho que holandezei.

Ana Pe disse...

Adorei o post!!!
Você não tem ideia como eu detesto gente que sai te contando todos os detalhes de sua vida, logo depois de você simplesmente dar um oi... Foi exatamente o que aconteceu no meu 1º dia de emprego. O meu digníssimo Gerente me contou a vida dele inteira em apenas 30 minutos... fui obrigada a escutar que ele tem 7 filhos, foi casado 3 vezes e que a atual mulher sente um ciúmes doentio dele, e que por isso eles estão se separando... sei não, mas acho que vou começar a cobrar por essas sessões de análise... eu devo ter cara de boa ouvinte, só pode!!!

Talvez

Related Posts with Thumbnails