quarta-feira, 27 de abril de 2011

Solo

La vai.

Eu e meus irmaos crescemos ouvindo, quase que diariamente, que estavamos abaixo intelectualmente das outras pessoas. Ouvindo de quem? Do nosso querido genitor. Eu sempre fui comparada à filha do gerente do banco em que ele trabalha, à filha da vizinha, às minhas primas, às minhas melhores amigas... Todo mundo era mais esperto e mais capaz do que a gente. Essas pessoas faziam Medicina ou Direito e estavam em cargos publicos de salarios exorbitantes. E eu... eu era soh uma aluna de Historia. Uma "vagabunda". Quando você tem 25 anos e escuta coisas desse tipo, você nem mesmo pensa em ouvir o sermao até o fim. Mas quando você tem 12 anos, brother, isso te afeta. E quando esse se torna o mantra do seu pai, ja era. Cresci assim: acreditando que eu nao podia. Me convenceram disso. Me convenceram realmente que eu sou inferior à qualquer criatura. Mas eu escuto, nao raramente, inclusive do meu pai, que eu sou forte. Que eu sou forte por estar aqui na França, por estar numa faculdade no "estrangeiro", por estar enfrentando todos os problemas que a distância da terra natal pode trazer. Mas eu nao levo esse reconhecimento em consideraçao, pelo menos nao ao ponto de ter uma postura mais positiva em relacao às minhas capacidades. Eu nao quero desistir de nada porque isso seria confirmar tudo aquilo que meu pai pensa de mim. Meu complexo de inferioridade, meu medo e minha timidez ainda nao impediram que eu colocasse em pratica as coisas que eu planejo. Mas isso nao quer dizer que eu nao faça essas coisas me cagando de medo. Eu sou chorona, admito. Eu choro muito, eu choro por qualquer coisa. Eh uma forma nada original de escape da qual eu dependo. E eu tento me convencer de que isso nao me faz necessariamente uma pessoa fraca. Eh que eu ando com o coraçao na mao, assim, ao vento. Eh por isso que quando alguém me diz alguma coisa ruim, eu me sinto destruida, mas o efeito inverso vem pra equilibrar minha vida: basta eu escutar algo positivo, qualquer palavra de afeto, e eu me derreto. E, olha, eu gosto de ser assim. Eu pretensiosamente acho que vivo mais que muita gente. Minha vida nao é a mais fantastica, minha rotina se limita à "casa-faculdade-trabalho", mas eu sinto tanto que as vezes fico cansada. E, por algum misterio que eu ignoro, eu consegui reunir ao meu redor, sem perceber, um bom numero de pessoas que sao mais ou menos assim, intensas. Eh isso que torna minha vida, apesar de todos os probleminhas que eu possa ter, florida. Linda. 

O impulso que me levou a escrever esse post, foi um email que acabei de receber, da dona desse blog aqui (e que me fez chorar, claro). Eu nunca vi essa mulher na minha vida! E, de repente, sei la, ela se tornou muito mais compreensiva e preocupada comigo como jamais meu pai sera (e isso nao vem de hoje). E a cadeia de eventos que me ligou à ela (através dos nossos blogs) me ligou também a outras pessoas e, meu deus... Como agradecer a vocês? Na verdade, como celebrar isso tudo, como mostrar meu agradecimento sem ser brega (tarde demais?) ou de forma eficaz? Alias, nao acho que a questao se limita somente à agradecer todas as palavras e comentarios positivos que me chegam. A questao é mesmo "que puta sorte eu tenho por ter essas pessoas". Vou deixar de ser cagona? Dificilmente. Mas da pra respirar mais tranquilamente quando penso que eu sou RYYYYCA em recursos humanos (hihi). As vezes da vontade de engolir o mundo. E eu adoro dividir essas coisas com vocês. Obrigada!  




34 comentários:

Caso me esqueçam disse...

obrigada! obrigada! obrigada! obrigada! obrigada! a todos que passam por aqui, aos que nao comentam, aos que torcem, aos que tentam me deixar bem, aos que se preocupam, aos que me dao puxoes de orelha. obrigada! do fuuuundo do meu fundo! :D

Laércio Theodoro disse...

Uma vez postei essa photo no Orkut e marquei a gente dançando! E acho que foi bem por isso, por perceber essas coisas em você e me identificar com muitas delas, principalmente a cagonisse! rsss

Mas tá uma coisa que só percebi, ou entendi agora. Essa insegurança, medo, drama, vontade de cagar a cada situação difícil é sim sua marca, mas tá uma coisa que nunca vi na convivência contigo foi você deixar de realizar o que queria (ou que era obrigada a fazer) por conta de medo. Seja os "simples" seminários, seja os relatos do blog, você conta pq fez. Toda cagada, mas fez e conta.

Tá uma coisa que farei a partir de hoje (eita), vou ter esse post como uma auto ajuda, esses dias estive/estou em crise e um dos motivos é minha inércia, medo de me borrar, não vencer a timidez... blábláblá estou precisando acordar!

Saudades! Vem logo nos visitar!

Beijos!

Juliana disse...

Sempre leio, quase nunca comento e sempre rio.
Dessa vez chorei. Chorei porque senti uma identificação danada. É um saco quando as pessoas dizem que sabem o que vc ta sentindo, porque em geral não sabem. Eu , dramaticamente, sempre acho que ninguém sabe o que eu to sentindo. hehehhe
Mas eu li esse post e , de verdade, entendi letra por letra e tive a impressão que poderia tê-lo escrito. Os cenários mudam, os personagens mudam, mas os discursos ouvidos podem ser muito parecidos.
enfim, vou parar e escrever porque senão esse comentário vai virar uma choramigação minha.
eu morro de admiração por vc, apesar de todo cagaço está aí fazendo o melhor que pode da sua vida, sendo feliz com homem que ama, estudando aquilo que ama. Isso que é esperteza na vida.
um beijão.

Luciane Curitiba disse...

Como a Juliana aí de cima, eu também sempre leio, dou muita risada, mas nunca comento. E, olha, eu não imaginei que palavras positivas te fizessem tão bem, sei lá. . .acho que por causa desse jeito tão independente de ser, hehehehe. Vc não pediu, ok. Mas vou falar mesmo assim: há algum tempo conheci seu blog através da linda Rita e pá! chorei de rir já no primeiro post. Seus textos são tuuudo de bom, originais, engraçados, tristes(?), reais, dramáticos e coisa e tal. O caminhos das pedras é: ler o "Estrada Anil" e procurar se há algo novo no "Caso me esqueçam", porque TE ADORO LER, ou ADORO TE LER, ou ADORO LER-TE. Vc me faz rir, melhora meu dia, sobe meu astral. Vc é tudo de bom, guria!!!

Borboletas nos Olhos disse...

Então, eu podia te dizer pela milésima vez que te acho gênia e talz. Maaasss hoje eu prefiro dizer que se você vier eu cozinho quinze dias direto. Que tal? deu pra sentir o bem querer?

Palavras Vagabundas disse...

Li, fui embora e voltei! Cagaço e medo faz parte o melhor é disfarçar e se fazer de "paraibana", rs e você faz isso muito bem. E ponha um livro em pauta você escreve muito bem.
bjs
Jussara

Rosa Lopes disse...

O bom de blog é isso, né? A pessoa mal conhece o espaço, vai pincelando uns pontos em comum, lê um post assim e já se apropria, é pra mim...Ai, ai, oh vida boa!
Mas olha, não sabia o teu detalhe da idade, eu só comecei a avaliar influências "educacionais" depois dos trinta, antes disso...bem, antes disso eu não tinha filhos. Logo a vantagem é sua.

E mesmo que nossas histórias sejam meio que opostas, a questão não é seu escudo de defesa, é foco... Ui, espelhismo.
Bj

José Fernando disse...

Não nos conhecemos pessoalmente, claro, mas posso garantir a você que o que você escreve é importante para mim. Por várias razões que não dizem respeito a essas questões da sua auto estima. É porque você tem um puta texto. Bom prá caramba, divertido, com balanço, sem economias bobas, bem adjetivado, enfim: um texto moderno, da era da web. Então, você dizer que "minha rotina se limita à casa-faculdade-trabalho, é bobagem. Tem o blog, do qual, com algum exagero, sou dependente químico. E nunca mais fique 15 dias sem escrever, porque eu tenho crises de abstinência.

Yuska disse...

a melhor riqueza é aquela que nao se sem preço: um abraço, um carinho, um cuidado, um elogio....um comentario no blog!
conheci teu blog por uma amiga de uma amiga sua e desde entao nao deixei de acompanhar, de ler, de comentar e de me divertir....para uma "desconhecida" voce faz mais parte da minha vida atual do que muitas pessoas com as quais ja sentei e "tomei uma" (claro que se isso vier a acontecer com voce eu imagino que sera otimo!)...
e pra mim....do jeito que existem mil forças que podem te colocar pra baixo, um unico sorriso pode te colocar pra la do ceu, e elimina facil facil qualquer forca "maligna"
Grande beijo e ate o proximo post!

Sylvia disse...

Ow Luci, é como Laércio disso, isso é bom pra pregar na geladeira e ler nos dias cinzas. To sempre aqui (invisível, mas tô). Bjo

Mari Biddle disse...

Abração apertadão!

Beijão!

Mariana disse...

Quem não tem seu(s) momento(s) mimimi? O importante é ir se superando... e de preferência, fazendo amigos pelo caminho!
Obrigada vc por partilhar os relatos hilarios das tuas desventuras com a gente..; se tens tantos leitores e apoiadores é porque as pessoas se vêem nos teus textos e morrem de rir com o teu bom humor... o mérito é todo teu! bjus!!!

Rita disse...

Ai, eu vou responder/comentar com um post. o/

Beijão, sua linda.

Bjs
Rita

Iara disse...

Lu,

Olha só. Como todo mundo aí, eu me identifiquei horrores. Porque eu sou super insegura. Porque eu não consigo dar conta de um monte de coisas na minha vida que eu acho que um monte de gente dá. Porque eu nem sei o que eu quero ser quando crescer. A questão é que um dia a gente descobre que nada disso é fundamental. Que viver bem é o mais urgente.
Então eu queria te falar que eu acredito muito em você. Mas também acredito que você não precisa provar nada pra ninguém. Que você pode mudar de idéia, deixar coisas pela metade, não encarar certas batalhas, simplesmente porque aquilo deixou de fazer sentido.
Quer dizer, se for importante pra você, você vai batalhar e consegur o mestrado independentemente do que disse a professora megera, o seu pai, o mundo todo. Mas se um dia deixar disser, você não é obrigada a dar conta só pra provar a essas pessoas que você pode. Porque a sua história é só sua, e a vida é curta demais pra gastá-la provando coisas pros outros.
No mais, gata, queria muito te dar um abraço. Daqueles apertados, viu?

Rita disse...

Gente, pra onde eu olho tá a Iara com suas palavras certas. Coisa boa isso, viu.

Bom, vim só dizer que escrevi um post procê lá. o/

Bjs
Rita

Sardenta disse...

ai, como eu te amo, vaca.

Deise Luz disse...

Fica difícil dizer algo que já não tenha sido dito, mas eu ADORO seu blog. Adoro num nível enquanto-leio-vou-pensando-meu-deus-eu-adoro-esse-blog.

E me identifiquei também. Insegurança, timidez, mas, ao mesmo tempo, a felicidade por ser "rica em recursos humanos", hihi.

Obs: me encaixo ali no grupo dos que não comentam. Mas também ali no grupo dos que torcem. :)

Um abraço :)

Glória Maria Vieira disse...

Não há de quê, meeeeeeeu amor de linda! Você não perde por esperar...

Posso dizer uma? Sou igualzinha a você. Chorona, sensível. Tenho complexo de inferioridade, tenho complexa até do diabo a quatro. AUHSUAHSUAHSUHAUSHUHASUH Quem vê assim palhaça, não diz que tenho muitos "pobremas" comigo mesma... Mas enfim, você é um presente pra mim. Um presente trazido por um portão de dourado...

Aline Mariane disse...

mesmo comentário do outro post: eu compro teu livro. Tô precisando, afinal, a peleja é a mesma... e a gente precisa de incentivos! ;)
Bjss!

Isadora Rubim disse...

Luci! Acho que a Iara disse tudo nao tens que provar nada pra ninguém. Faz o que te faz feliz, viva a SUA vida, do teu jeito. Me indentifiquei muito com tudo que vc escreveu. Nao vim aqui pra te dar conselhos porque tb sou assim... insegura, chorona, acho que todo mundo faz mais e melhor que eu...
A verdade é que vc escreve bem pra caramba, eu amo seu blog...vc é minha musa da internet. Fico aqui sempre esperando um post!
Um beijao grande, Isadora!

Caso me esqueçam disse...

lala:

ééé, eu sei! na verdade, eu lembro muito de tu com essa foto. ela tem movimento, é bonita. queria terminar o post com algo assim. que bom que o post ajudou, mesmo que ele nao va mover montanhas, mas é bom dar uma acordada. e, olha… coisa que eu mais quero nesse momento: visita-los!

ju:

eu tenho essa mesma impressao, que ninguem sabe o que eu tou sentindo hahaha "nossa, imagino que deve ser dificil estar nessa faculdade" aih eu penso "naaaao, é muito pior do que você imagina" hihihi bom, mas é sempre muito confortante quando alguem chega aqui pra falar das mesmas experiencias e quando diz que se identificou. eu me sinto menos sozinha, juro!

luciane e jose fernando:

minha gente, eu nem sei o que dizer do comentario de vocês. intençao de me matar, né. eu li, reli, sorri, fiquei envergonhada, fiquei feliz, sorri mais uma vez e so tenho a agradecer. melhor de tudo, senti muita sinceridade. josé, acho que você vai gostar de saber que atualizei o blog depois de ter visto teu comentario no post passado. achei que tivesse ganho o dia de ontem, mas reler os comentarios hoje pra responde-los me fez ficar feliz de novo hehehehe que poder, hein! valeu MESMO. :)

brabuleta:

YEEEEEES! vou comer muito bem na minha volta ao NE. e durante QUIN-ZE dias. quinze dias, hein! minha lombrigas nao esquecerao essa promessa! hohoho

jussara:

ixi, que as vezes eu tenho mesmo que incorporar minha paraibanice e fingir que eu sou forte. tem que honrar o sangue latino, né!

rosa:

ah, eu me afundo no blog dos outros. basta que encontrar a minima identificacao que eu ja viro meio stalker hahaha e adoro quando vocês vem por aqui pra papear. obrigada pelo comentario. e sobretudo o do post passado, fiquei toda boba :X

yuska:

ai, como eu gostei do teu comentario! "para uma 'desconhecida' voce faz mais parte da minha vida atual do que muitas pessoas com as quais ja sentei e 'tomei uma'" - porque sei bem como é isso! é exatamente isso que eu sinto desse lado. escrevi um email pra rita depois de fazer esse post dizendo exatamente isso! que eu tava longe do BR, mas que me sentia muito acolhida por aqui por causa de vocês. soh quem tem blog pode entender. é como se a gente tivesse acesso à casa, à vida de alguém e pudesse partilhar um monte de coisa boa e ruim de maneira simples. que bom que tu curte vir aqui, isso me deixa feliz, viu? brigada por dizer isso =*

syl:

eita, nem sabia que tu lia isso aqui ainda! estamos aih, hein!

mari:

brigada! abraço e comida sao sempre bem-vindos!

mari 2:

ah, se eu nao pudesse contar com os momentos de superacao apos os mimimis, eu ja teria desistido de tudo. eu acredito. e ponto final. vai dar certo, é uma pena que eu tenha que me deixar abater tanto antes de pensar nisso…

rita:

vou comentar la! hihihi

vaca:

tu sabe de tudo!

deise:

ow, que bonitinho! hehehe vocês me deixam envergonhada. ok, é uma coisa boa, mas nao sei ainda como responder à elogios. "obrigada" eh pouco demais pra isso que eu tou ouvindo…

glorita:

ai, glorinha, como tu eh linda, merece um murro! hahahaha ooww… você sobretudo! você sobretudo me deixa muuuuuito feliz quando aparece por aqui. tah sempre me colocando pra cima, ta sempre me dizendo coisas positivas e ta sempre me defendendo! acho lindo! é mais nova do que eu e me protege de uma forma muito linda. adoro, adoro te ter por perto, viu? nenhum comentario passa despercebido. voce precisa saber disso.

line:

isso eh que eh ter amigos! nem escrevi meu futuro best-seller pros fracassados e ja tenho compradores. o futuro nos espera :D

::

e de novo e de novo e de novo...

obrigada :)

Caso me esqueçam disse...

iara:

velho, você tocou no ponto essencial da questao. é verdade, é verdade. na verdade, eu tenho que tentar fazer o que gosto, né. vai que eu acabo frustrada mesmo com um mestrado nas costas, soh porque fui indo cega por esse caminho de "tentar provar que eu posso". credo. nao vou esquecer disso. tem que ser feito na medida em que me agrada. ja deixei casa de papai e mamae ha muito tempo pra ficar pensando que devo satisfacao a eles. brigada pela observacao! e pelo abraço :D

isa:

caralho, que massa! nao tenho como te agradecer por isso… essa de vir aqui e tentar colocar pra cima alguem que tu nem conhece. recebi todos esses comentarios fuderosos, tou toda emocionada aqui, mas cada comentario, cada linha, é unica e eu tou realmente feliz por ver todas essas demonstracoes de afeto. brigada, viu? :)

Caso me esqueçam disse...

ufa! :)

Borboletas nos Olhos disse...

AHAHAHAHHAHA, sabe porque você tem cadeira azul no meu coração, daquelas na beirinha do campo? Pelo Ufa! :)

Beijo, baby.

::: Luís Venceslau disse...

Pode não ter nada a ver com o post mas eu acho q a gente vive numa época muito auto-crítica, muito irônica, onde qualquer demonstração de afeto mais escancarado tem logo um "owwwww" seguido de um sorrisinho de "povo besta", qualquer palavra mais positiva é entendida como conselho vazio, repetição de clichês. Mas no teu caso, não. Não se torna um clichê pq mais do q com palavras vc fala através de sua atitude diante da própria vida, em ter escolhido viver so seu jeito. É um testemunho próprio, natural, sem soberba, e isso q é o mais massa. Quem acompanha não tem como não pensar outra coisa a não ser "caralho, que foda isso, tb quero!"

"A vida não é a que a gente viveu e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la." Não sei pq lembrei disso qdo terminei de ler. Acho q a despeito de um ritmo de vida tão intenso, vc ainda consegue ter vida interior o bastante pra conseguir ordenar td e escrever, vir aqui contar. E contar é tb uma forma de viver, mais completa, não só "da pele pra fora". Por isso tb tu é tão admirável. =)

Drixz disse...

Vc consegue dar uma amolecida nesse coração osso duro de roer. hehehe ;). Escreva o que eu digo, vou te conhecer esse ano pessoalmente. Ainda não sei quando, mas vamos tentar ;). Bjaum!

Somnia Carvalho disse...

muito engracado ler este post, quer dizer curioso... dia desses um leitor me disse que nao me imaginava uma pessoa insegura por conta do blog etc... na verdade eu nao sou em tudo, sou em algumas cosias, alguns aspectos e eles tem todos a ver com o seu deste post...

vira e mexe vem na cabeca as frases ouvidas na infancia, nao pode, nao consegue, voce nao vai conseguir... mesmo que eu nao queira! meus pais simples demais nunca imaginaram o quanto aquilo poderia afetar uma pessoa...

eu me reconheco no seu post, entendo perfeitamente! mas digo que lendo seu blog eu jamais pensaria numa pessoa insegura escrevendo o e timida??? ah! nem pensar! ce deve estar de brincadeira! haha...

Anônimo disse...

Oi, Luci!
Cheguei aqui através... não sei mais de que blog. Mas veja: foi pelo título! Então note logo que vc deve ser MESMO muito boa no traçado (digo, no teclado), pq eu sou preguiçosa com a web... ;)

Bom, antes de mais nada, também a-do-rei os textos. A começar pela tua apresentação! Definitivamente original! Ninguém nunca fala tanto de si mesm@ na apresentação... rsrsrs

Depois, me veio muita, muuuuita vontade de falar que olha, você é IGUALZINHA a todo mundo! Cara, td mundo chora, é inseguro, tem medo, frustrações e dores profundas!!!! Infelizmente, hoje temos uma cultura que acredita que devemos dar conta de nossa vida sozinhos (isso não é uma análise minha). Também acreditamos que nosso maior comprometimento tem que ser com nossa felicidade. O que acontece, então? Bem NINGUEM DIZ O QUE SENTE DE VERDADE!!! Por isso, vc pensa que é a única... quantos comments foram postados aqui que disseram exatamente o oposto, que se identificaram até a medula com ele? Cara, TODOS, né? Prá você ver... tá todo mundo "tão bem" que levam susto quando lêem sua própria história nas linhas de outrem...

E prá terminar: ichi precisaria de outro comment prá terminar, porque viver na França é FUEDA!! Tenha isso em mente: vc passa por tudo o que qq pessoa (francesa ou não) passa nessa terra aí. O assédio moral dos caras é violentíssimo no trabalho/estudo! Passei 2 anos aí e demorei acho que 1 e meio prá perceber isso... e confesso que precisaria de mais outros 2 prá compreender maior profundidade...

Portanto, FORÇA NA PERUCA!!! Com todos os assédios que vc já sofreu, és uma heroína, e isso tá no teu DNA!!!

Beijãozão e muita, muuuita sorte,
Olhar Saturno (não consegui logar...)

Luciane Curitiba disse...

Ei, tô sentindo falta de novidades. Tô ficando cinza. . .rssss. Os professores estão te massacrando? Afff, kd vc??

José Fernando disse...

13 dias sem atualizar o blog. E o pessoal aqui do lado de fora esperando abrir prá entrar. Depois de amanhã, quando completar 15 dias sem post, vamos invadir o blog com colchonetes e lona preta. Depois não se queixe.

Luciane Curitiba disse...

Huhauhauaha, boa essa José Fernando, apoiaaaado!!!Vamos invadir mesmo, já comprei a lona!!Tá avisada!!

Laura disse...

No finalzinho de 2010 comecei uma pesquisa relacionada à uma viagem à Paris que pretendia fazer em julho/agosto... Dentre váaarios sites e blog informativos achei o seu e o da Amanda do Porte Dorée... Então foram alguns dias lendo todos os deliciosos posts de vocês, TODOS... Nem liguei de não estar juntando informações substanciais o bastante... Só gostava de ler vocês...
Então, aconteceram várias coisas, o lugar que eu tinha como garantido para ficar furou, o dinheiro eu não sabia se daria... isso somado ao trabalho acumulado, à monografia atrasada... Decidi que daria um tempo nos planos p viagem e voltaria a pensar quanto tivesse uma visão mais clara do que seria possivel...
E ontem voltei a planejar... olhando hotéis, albergues, alimentação, passeios... não deu um dia para que eu me visse de novo no blog de vocês... Com uma sensação gostosa de ver que tem um monte de posts novos para ler!
Não sou mto de comentar (eu sei..q feio!), mas desta vez a vontade bateu forte...
Vocês são FODA (sei que você não se incomodaria com a palavra)
=P

caso me esquecam disse...

po, laura, brigada por comentar (blogueiro adora saber o que as pessoas pensam do seu blog, hein, nem precisa ser elogio! hehehe) e ainda por cima por deixar um comentario tao estimulante! muito muito legal! certeza que amanda vai adorar ver isso tambem! :D brigada! beijo!

karina disse...

Você é louca? tem problemas mentais? só pode... menina, seus textos são fantásticos. Divertidos, bem escritos, uma coisa. Já li cada um dos seus posts, e sempre venho procurar por mais posts. No começo, por saudades da vida na França. Depois, pelos textos, mesmo, pelo humor, pela capacidade de rir de si mesma (coisa que estou aprendendo com você). E olha que sou uma completa estranha. Mas que te admira muito.

Talvez

Related Posts with Thumbnails