sexta-feira, 1 de maio de 2009

Mil facas

Primeira descoberta: o frio é frio.

Quando desci do avião em Lisboa, era de madrugada e todas as pessoas inteligente E prevenidas encontravam-se perfeitamente agasalhadas. Eu fingi algo parecido. Mesmo estando com duas blusas de manga comprida e uma calça jeans, não cruzei os braços e, dignamente, senti meus ovários congelarem enquanto uma "fumacinha" esquisita saía pelas minhas fuças. Ao chegar em Lyon, qual foi minha surpresa ao lembrar do filme Titanic. É, Jack, Rose, come back, come back... aquele mermo. Quando a mulé vai se matar, o desocupado adianta à moça que cair naquelas águas congelantes seria como ter o corpo espetado por mil agulhas. Ou eram mil facas? Ou era a puta que pariu? Não me lembro, só sei que, no meu caso, todas as coisas que tem o poder de cortar, perfurar e rasgar a pele humana pareciam estar dançando no meu rosto descoberto. "Ah, então, isso é frio..."

Cheguei ao apartamento. Os dias foram se passando e todas as pessoas que Camilo me apresentou eram supreendemente legais. E agora vamos para a

Segunda descoberta: os franceses são pessoas legais.

Claro que eu não cumprimentei todos os franceses da nação, mas aqueles que me dirigiram a atenção sempre foram muito gentis. E olhe que eu não estou me referindo somente aos amigos de Camilo. As atendentes do metrô, os garis, a mulher que vendia o pão, o cara que nos explicou como chegar na estação etc. Não vou comparar o mau humor daqui com o de lá, afinal, nesses 24 anos morando no Brasil, eu já tive vontade de matar muita gente, mas numa análise rápida, sim, os franceses têm uma má fama infundada. Ah, claro, se você espera que na fila do banco alguém vá puxar assunto com você ou mesmo continuar aquela reclamação lançada no ar para ninguém, esqueça. Franceses não abraçam com emoção, não tocam em você enquanto falam e não abrem a boca além do necessário. Ou seja, é o paraíso! (Espero continuar achando isso quando bater a carência afetiva).

Nenhum comentário:

Talvez

Related Posts with Thumbnails