terça-feira, 11 de agosto de 2009

O terrivel destino dos coelhos

Ha um mês Camilo e eu fomos à Chateaubriant, cidade onde moram os pais dele, no norte da França, para provindeciarmos junto à mãe dele os detalhes de uma festa tripla: comemoração do nosso casamento, dos 50 anos da mãe e dos 20 anos do irmão do meio. Aqui na França se costuma antecipar ou retardar esse tipo de comemoração de maneira que aconteça nas estações quentes. Acho que eu e Camilo somos o unico casal de Lyon que casou perto dos 0°.

Na ocasião dessa visita à Chateau, conheci a casa dos avos de Camilo. Os avos dele, juntos, tem (têm) mais de 180 anos. A avoh é aquela mulher-maravilha que faz tudo (ela propria se auto-intitula une femme a tout faire). Apesar de estar perto dos 90, corta lenha com um machado maior que ela, é impressionante. Na propriedade dela, tem pé de uns 15 tipos frutas. Tem galinha, pato, coelho (pra consumo pessoal) e umas plantações que eu esqueci de que eram.

Com essa idade, acredite, ela sabe muito sobre as coisas que cuida. Quando ela era pequena, enquanto cuidava das vacas da familia, ela transplantava galhos de uma planta para outra e o resultado era uma planta melhorada. Ela pega um galho de um tipo de maçã, por exemplo, junta com outro tipo e dai sai uma maçã mais bonita (ou uma rosa mais bonita, o que seja). Camilo diz que ela não é a pessoa mais humilde que existe, que ela vive se elogiando, mas isso não me incomoda. Primeiro porque, com essa idade e com as coisas que ela sabe, eu acho mesmo que ela merece elogio. Depois porque eu não entendo porra nenhuma do que ela diz, então, tanto faz.

Mas, na ocasião dessa visita à Chateau, além de eu ter conhecido a casa dos avos dele, eu quase conheci uma Luci vegetariana. A mãe de Camilo disse que iriamos até a casa dos pais dela pra comermos coelho. Beleza, eu nunca tinha comido coelho na minha vida. Alias, acho que se eu algum dia na vida comi alguma carne que não fosse de vaca ou de frango, foi porque me enganaram e me cozeram um gato, porque eu não sou muito fã dessas iguarias.

Chegamos na casa dos velhinhos e, assim que eu entrei na cozinha, me deparei com minha proxima refeição morta em cima de um prato, banhada de sangue, com os olhos negros esbugalhados e os dentes de fora. Não dava nem pra entender como um coelhinho fofo e saltitante tinha se transformado naquela coisa bizarra. Eu tive aquele choque instantâneo e fiquei parada observando o coelho me observar. Ali, parada. Luciana - pensei - não crie caso, querida, você vai ter que comer essa porra de coelho, então, pare de olhar pra ele.

Então, fomos dar uma volta e Camilo me chamou pra vermos os outros coelhos (vivos). Quando eu tava entrando no galpão, vi uma das patas do coelho-jantar decepada no chão. Ai soltei um gritinho de nojo pra mãe de Camilo. Foi quando eu vi a outra pata pendurada bem perto da minha cara. Foi foda. A mãe de Camilo riu e contou que, quando o irmão de Camilo era pequeno, a avoh matou um coelho e disse pra Manuel "olha como eu tiro o pijama dele" e puxou a pele do bicho de uma vez. Show de sensibilidade.


Quando voltamos à casa, o coelho estava virando churrasco. Quando foi posto no meu prato, o coelho estava virando minha barriga. A avoh pôs a cabeça do bicho no prato - que ja não estava tão assustadora, visto que agora os olhos estavam fritos, e os dentes, quase imperceptiveis. Eu peguei uma pata. Ou o resto dela. A avoh deu a ordem de comer usando as mãos. Ou seja, o cenario estava feito: mata o coelho, tira a pele, sangra, joga no fogo, pega com as mãos, como verdadeiros selvagens, e mastiga a carne do bicho.

Sai do ritual achando que eu nunca mais comeria carne na vida. Na verdade, eu nunca mais quero ver o que acontece com o bicho antes de ele estar no meu prato. Não, não é (somente) falta de consciência, é questão de praticidade mesmo: ainda não cheguei ao ponto de achar que posso manter uma dieta rigida que exclue a carne. Por questões ambientais, temos comido menos carne, mas nada além disso.

De qualquer forma, acho que essa familia não gosta muito de coelho (vivo). Ontem mesmo Camilo atropelou um. "Pô, esse foi o segundo". Tsc.

10 comentários:

Precioso disse...

Meu pedaço favorito do coelho é a asinha.

raquel medeiros disse...

acho que também ficaria embrulhada - tive um coelho na infância, tão lindo, morreu envenenado... (catarse)
mas não vou mentir, achei parte de 'tirar o pijama' é engraçada. :P

Amanda disse...

Imagino que para uma historiadora seria otimo poder conversar com os avos do Camilo! Imagina quantas historias eles não tem pra te contar, ainda mais se eles moram no norte da França...

Quanto aos coelhos, deve ter sido nojento mesmo! Aqui em Paris eles são expostos nos mercados de rua inteirinhos, mas sem o tal do pijama. Acho que ja me acostumei. Mas nos somos hipocritas mesmo, né? Se eu tivesse que matar um bichinho pra comer, ia virar vegeratiana, mas é tão facil comprar aquele pedaço de carne no supermercado, e tão gostoso, que a gente nem pensa no processo.

Drixz disse...

Eu já passei por isso com um frango. A empregada nova da casa da minha mãe não sabia que partes do frango comíamos e colocou além do corpo a cabeça e os pés na mesa. Eu achei tão nojento que quase não consegui comer. Mas eu me resolvi pedindo para ela levar a bandeja, separar a cabeça e os pés e trazer de volta o resto.

Luís Venceslau disse...

Pois eu não consigo olhar para um coelho e enxergar um alimento. Aqui é normal comerem tb o Mocó (q no sul chamam 'Porquinho da India', q nao tem nada de porco, jah q é roedor..) Mas enfim, dá uma pena da porra deles. Coelho, mocó, são fofinhos, bonitinhos, não fazem mal a ninguém, não deviam ser comidos. Já vacas e aves não são bonitinhas ou fofinhas, né.. Logo, devem morrer. 8D

Aline Mariane disse...

Minha irma tem um coelho que se chama Paulo Coelho e é uma fofuuura. Ele tem rabinho de pompom, patinha de coelho, come cenoura...
Na França, comi ra, scargot, mas nao tive coragem de comer coelho, so de pensar no Paulinho...

Amanda disse...

Essa do Paulo Coelho foi otima! Ahahaha! O que como aqui na França de mais estranho é cavalo, adoro! Não tem gordura nenhuma.

Amanda disse...

Essa do Paulo Coelho foi otima! Ahahaha! O que como aqui na França de mais estranho é cavalo, adoro! Não tem gordura nenhuma.

psique disse...

lu, tu tás parecendo aquele guri americano do filme "babel", q chega no méxico, vai pegar o frango e depois vê o cara (o lindo do garcia bernal) matando a galinha e ela saindo correndo, sem cabeça. um trauma na vida da pessoa. é por isso mesmo q mta gente vira vegetariano. tem gente q se acostuma (como obviamente a avó de camilo), tem gente q não.

livia. disse...

mulher, comer coelho é sem condição. muita crueldade. mas aí fica a pergunta: porque é cruel comer coelho mas não é cruel comer vaca? sei não. vaca eu tenho coragem, coelho eu não tenho não. vai entender, né ..

Talvez

Related Posts with Thumbnails