segunda-feira, 14 de março de 2011

Ao mestre com carinho

Professor piscante: bom sinal

Como eu disse aqui, hoje eu deveria apresentar um seminario sobre o Abbé Pierre. Na verdade, nao era bem sobre o cara, mas isso nao importa. O que também nao importa é que, como a sala é numerosa e nem todas as pessoas podem apresentar os seminarios, a professora divide os temas entre dois ou três alunos e, no dia da apresentaçao, ela faz um sorteio pra escolher quem deve apresentar. Aqueles que nao foram escolhidos pra fazer a apresentaçao devem entregar um trabalho escrito sobre o tema. Dessa forma, todo mundo se prepara pra o seminario. 

A professora dessa disciplina tem a fama de ser muito exigente. Exigente = grossa. Entao, eu que ja sou medrosa sem motivo, cheguei hoje na aula rezando forte pra nao ser a escolhida. A reza deu resultado. No meu lugar, uma coitada foi à frente da turma falar sobre Abbé Pierre e cia. No final da apresentaçao, a professora respirou fundo e começou:

"Vocês precisam deixar de lado essa mania de falar no futuro. Vocês sao historiadores, nao jornalistas. Como assim 'Abbé Pierre farah isso, farah aquilo'? Ele 'fez' isso, ele 'fez' aquilo. (...) Você fala demais 'personne'. E sua problematica? Nao tem nada a ver com uma problematica! (...)  Sua introduçao esta completamente confusa, você se perdeu entre dados e numeros. E sua conclusao nao corresponde ao que você disse durante o seminario"

Ela criticou ainda a menina por ela nao ter visto um filme que fala sobre o Abbé Pierre, disse que ela nao tinha se "doado pro trabalho". E ainda reclamou pelo fato da menina ter esquecido certas datas. Minha gente, vinte minutos seguidos de critica. Quando olhei pra menina, ela tava com cara de choro. Eu quase levantei da cadeira pra ir dar um abraço nela. Soh digo uma: me livrei de ter pago um micao chorando na frente de todo mundo. Foi duro. Inclusive, ela havia comentado comigo que mandou um email pra professora pedindo algumas dicas de livros pra fazer o trabalho e a resposta da professora foi simplesmente: "você nao tem capacidade de fazer uma pesquisa bibliografica?"

Meda.

Pra minha paz, essa nao é a unica professora que da coice. Mas da outra professora eu nao reclamo, porque a disciplina dela é feminismo puro, do começo ao fim, é lindo! Mas eu nao ouso abrir minha boca. Ela vive cortando os alunos, mas de uma forma grosseira mesmo. 

Outro dia, um desavisado foi inventar de dizer o que ele pensava sobre determinado assunto que estava sendo discutido. Infelizmente, a opiniao dele nao correspondia à opiniao da professora. Entao, ela olhou pra cara dele e disse:

- E o que você sabe sobre isso?!
- Eu nao sei, eu soh acho que...
- "Acha"? Acha o que? O que você sabe sobre isso?!
- O_o
- Você por acaso leu sobre isso?
- Nao... eu...
- Entao! 

Cri cri cri. 

O mesmo aluno, antes disso, tava comendo um sanduiche dentro da sala e ela disse "quando você vai terminar seu pic nic?". 

Uma aluna tava guardando o material dela quando a professora parou a aula e disse "mademoiselle, a aula ainda nao acabou, tenha respeito". E eu, louca, quando ainda nao havia testemunhado nada disso, fui perguntar a ela se eu poderia entregar um trabalho escrito no lugar de apresenta-lo como seminario.

- ...porque eu sou estrangeira, mimimi.
- E dai? Você pode fazê-lo mesmo assim! 
- Mimimi?
- Ok.

Eu devo ter feito cocô na calcinha depois que dei as costas a ela. Tenso! A de hoje foi ela escrachando os estrangeiros que entregam trabalhos com erro de ortografia. "Vocês tem o corretor! Coloquem no corretor!" Ela te corta se você fala, se você nao fala, se você come, se você respira, se você. 

Entao, é com muito orgulho que eu anuncio que eu ganhei uma piscadinha dela! Hihi Ela tinha falado de um mestrado lindo que eu queria muito fazer ano passado sobre trabalho e gênero, mas por haver a necessidade de um intercâmbio, eu desisti da idéia (desisti da idéia = nao passei :D). Mas o mestrado vai abrir na Lyon II e nao serao somente cinco vagas. Entao, achando que eu tinha alguma chance, fui falar com ela durante o intervalo da aula. Falamos durante uns dez minutos. Ela explicou o que eu precisava fazer. 

Quando voltamos à aula, uma menina começou a apresentaçao de um seminario sobre a Barbie (pois é...) e comentou que algumas até falavam. "Tem uma Barbie que diz que blablabli e isso deixou algumas feministas furiosas". Como eu nao entendi a frase, me virei pra Lucie e perguntei baixinho o que ela havia dito. A professora percebeu, levantou da cadeira e foi ao quadro escrever pra mim o que ela tinha dito: "a matematica é muito dificil". Quando eu li o que ela escreveu, olhei pra ela e ela deu um sorriso e uma piscadinha pra mim. Um SORRISO e uma PISCADINHA. Foi muita emoçao, meu povo. Pensando agora, acho que ela ta afim de mim. No final, os professores so querem que a gente mostre esforço e interesse pelo curso - e que a gente nao coma, nao fale e nao respire. 


25 comentários:

Renata Lins disse...

Diagnóstico: professora te dando mole.

Juliana disse...

luci, eu venho nesse blog sempre pra rolar, rolar, rolar e rolar de rir!
Como sou professora de gente pequena, posso dizer que eu ostaria simplesmente que eles não falassem todos ao mesmo tempo nem puxassem muito o cabelo uns dos outros! Respirar pode=)

Gente, to dando graças a deus porque quem assiste a essas aulas é vc e não eu. Eu já teria me mijado de pavor só de entrar na sala. hehehehehe

Ashen Lady disse...

Eu A-DO-RO professores assim. Sou louca. Mas a questão é que eu me encaixo perfeitamente nesse esquema rígido, me sinto segura porque sei o que o professor espera de mim e o que eu devo esperar dele. Mas quer ver eu entrar em pânico é professor sossegado que pede para que eu seja criativa. Morro de medo desses.

Mari Biddle disse...

Eu devo ter problema sério pois, sou do mesmo modelo que a Ashen Lady.

Oremos.


bjs

Aline Mariane disse...

óia, que gente estranha aí em cima!

eu também teria chorado se fosse a menina, e muito! acho até que teria chorado vendo uma grosseria dessa!
ainda bem que a profe interessante piscou pra você. =D

Borboletas nos Olhos disse...

Eu sou professora (cof, cof) Porque você está respirando? rsrs.

Anônimo disse...

Luci, por acaso, descobri seu blog e nunca sou tão feliz quanto ao lê-lo. Não que minha opinião seja importante, mas você alegra meus dias com essas histórias bizarras (nunca ri tanto na minha vida como quando li sua experiência como babá).
Então, era só pra te dizer que você tem uma fã!! Hihihi

Beijos

Palavras Vagabundas disse...

Luci, te compreendo perfeitamente, detesto falar em frente a uma classe e se o prof é grosso, vou chorar ou rir de nervoso.
bjs
Jussara

Mariana disse...

sabe o que é massa? depois de enfrentar uma sabatinada dessas (te garanto que numa soutenance o problema é bem mais embaixo) tu podes enfrentar qualquer grosso que cruzar o teu caminho sem suar nem uma gota!
Vai fundo que a luz no fim do tunel esta acesa Luci!!!

luci - caso me esquecam disse...

renata: bom, entao soh me resta continuar jogando meu chalme... até a hora do exame!

juliana: puxar cabelos? essa eh a fase que vem antes ou depois daquela em que eles se mordem?

ashen e mari: na verdade, eu gosto de professor assim, porque o que eu mais detesto nessa vida eh aluno metido, que fala pra caralho ou fala merda. mas... se voces vissem os olhares que elas fazem enquanto dao esses foras, voces entenderiam meu medo. nao eh soh uma questao delas serem "duronas", eh serem quase crueis mesmo :(

aline: aeeeê, alguem que concorda comigo :D

borboleta: taih! essa aih eu queria ver dando aula. soh deve rir! ppff hahaha

anônimo: puxa vida, que comentario mais lecau! claro que sua opiniao eh importante (ainda mais se ela tah ao meu favor) hihihihi brigada pelo recado positivo! :D

jussara: e eu vou eh chorar de nervoso, porque rir tah dificil! (na verdade, o melhor eh... nao fazer nada!) Oo

mariana: pois eh, eu tenho que perder o medo de cara feia e aprender a conter o choro, porque eh essa maluca que vai me ajudar a entrar no master Oo

Line disse...

Hahahaha! Se eu fosse vc, dava uns pega nela! Isso iria te render eternas piscadinhas...rsrsr (sem duplo sentido, rs)

Eu dei aula durante dois anos, e acho que se tivesse continuado na profissão teria também me tornado uma megera.

Quando dei aulas para criancinhas de 6 anos, as meninas choravam quando os meninos pegavam os lápis de cera que estava inteiros e só deixavam alguns pedacinhos pra elas colorirem. O que eu fazia?
Pegava os lápis dos meninos e quebrava em dois, às vezes três. Se não tem inteiro pra todo mundo, então quebremos todos, uai!

Jéssica disse...

Tem pouco tempo que venho acompanhando o blog, timidamente, sem fazer comentários, mas depois deste post tenho que comentar pois neste último semestre eu partilhei da mesma experiência. Eu ia para a aula da professora com, perdoe a expressão, o cu na mão. Se alguém falasse algo, ela perguntava quem disse aquilo, se era opinião do aluno, ela perguntava se o aluno tinha escrito um livro ou já tinha um doutorado no assunto. E do nada, não sei o que houve, virei a queridinha dela. Acho que é pq eu ficava com tanto medo que quando ela perguntava algo para a sala, eu respondia. No final, ela me chamou para ser monitora no próximo semestre. Viu? Vencemos o chefão. Falta chegarmos no fim do curso e vencer o chefão final ;D
Beijos

Simone Westerduin disse...

Luci, eu gosto de professor assim! Eu detesto professor bundão, que aceita qualquer trabalho merda, que não ter argumento para o que explicar e que dá 10 pra todo mundo.

Eu não me importo que me espremam pra tirar algum sumo da minha cabeça desmiloada, alias to lá pra isso rs

Beijao

asnalfa disse...

Tem professor que nao quer estudar e manda o aluno estudar pra ele. Ou seja, eufemismo pra seminario.
E sua professora está certissima em relacao ao "pic nic" do aluno. Existe o interval odas aulas pra isso.
Tudo na vida existe local e horario pra se fazer cada atividade.
E professor tem que ser exigente sim!! Acontece que essa menina que quase chorou durante 20 minutos de surra de lingua deveria aprender a fazer um bom seminario.
Mas pra nao perder a linha, vc ja arranjou o meu oriental sarado e bonito pra me enviar de presente?

Jaquee Ribeiro disse...

Sua professora faz os meus professores parecerem gente.

Ana Duarte disse...

Luci, dei umas boas risadas com seu post! kkkkkkkkkkk ai Desculpa, entendo bem sua aflição, porque eu tb era assim, ia pra aula rezando pra ela nao me pedir pra falar hahahaha.
Mas é so uma "casca" mesmo, como vc mesma esta percebendo...logo logo tudo muda e você entende bem porque eles sao assim!
Bjao Luci, Courage!! :-)

Rosa Lopes disse...

Não entendi isso. Ok! Tem gente que perde o foco, comer na sala?Tá o coitado devia estar entre as tripas que se matavam e o horário da aula, mas aí...atirou no próprio pé. Quanto ao corretor, dá pena, mas ela tá certa.

Agora minha revolta, olha fia, eu podia até chorar, só que seria pela impotência de não matar a criatura, afinal tenho filhas pra criar, né.
Eu estou tão indignada, eu queria tanto ter levantado unas questõesinhas éticas com essa senhora, essas "orientações", se fazem no trabalho escrito, oras. Humilhar a pessoa assim, ham!
Como vc pode ficar calada Luci?
Talvez seja por isso que Deus não me tenha dado capacidade suficiente para fazer fazer meu curso na Europa.
(fiquei até gaga de raiva)

Rita disse...

Eu adoro um professor durão (uia), mas não gosto de humilhações em público assim, acho brega (tóin!). Dá pra ser durão sem ser escroto, no mundo perfeito, néam.

Menina, precisamos trocar umas ideias, aguarde e-mail pé no saco (quer dizer, EU preciso trocar umas ideias, então preciso que VOCÊ também queira, entendeu?).

E, olha, menina, você precisa usar seu talento para ganhar a empatia dessa galera da faculdade; eles precisam perceber que você sabe fazer rir demaisssssssssss. Se liga, francesada!

Beijoca
Rita

luci disse...

gente do céu! seguinte…

acho que o caminho é o meio termo, nao? uma coisa é o professor ser rigido e exigente. outra coisa é ele humilhar os alunos, porque o que eu acho que aconteceu com a menina do seminario foi humilhacao, tanto pelas palavras que a professora utilizou, como pela forma em que ela o fez.

e, rosa, acho que nao era meu papel falar alguma coisa naquele momento, por mais indignada que eu tivesse. até porque o maximo que eu conseguiria seria um fora. esse tipo de professor soh me ensina uma coisa: o que nao fazer como professor. da pra nao ser bunda-mole sem ser um filho da puta. ah, da sim!

Drixz disse...

kkkkkkkkkk. Pelo menos assim vc passa com 10. hehehe. Lucy, que dificulidade esse curso, hein? Os professores são mesmo mal amados. Eu só tive uma professora escrota na graduação, mas isso é pq a mulher era tora demais para dar introdução a teoria da literatura. Acho que colocaram ela na disciplina para puní-la e ela puniu os alunos com uma penca de filósofos alemães e franceses.

Helena disse...

Tô que nem a Rita, gosto de um professor durão, mas que te estimula, que te dá vontade de fazer o melhor. Agora, se vem com grosseria, já perde o respeito e me dá medo. Daí para chorar se for repreendida na aula, é um passo...

Amanda disse...

Como assim eu não comentei?

Então so vou dizer que essa piscadinha é um otimo primeiro passo em direção ao mestrado.

E nada de ficar chamando a mulher de lésbica so pq ela é durona e feminista! Qual é pessoal?

luci disse...

mas eu nao tou dizendo que ela eh lesbica. eu tou querendo que ela seja :D

Glória Maria Vieira disse...

EITA QUE MASSA, CHEFA! UM SORRISO SEGUIDO DE PISCADA?! TCHAMRAAAAAAAAAAAAAAAAAAM! #viva
AUSHUAHSUAHSUAHSUAHUHAUHUAH

Que mulher encapetada do diacho. Se bem que eu tenho um endemoniado de calças no meu curso... AUHSUAHSUAHHU ¬¬

E ah é... não respirando, nem comendo, nem falando... NEM, NÉ?! AUSHAUHSUAHHSHAH

Emerson Brito disse...

Adoro seus textos!

Talvez

Related Posts with Thumbnails